"Você pisa, ele gruda, você gruda, ele pisa". Ou será que não?

1/14/2014 10:12:00 PM

Cheguei na minha avó por parte de pai hoje e fomos para a cozinha almoçar panquecas; enquanto comíamos, ela começou a falar da minha prima, com quase 10 anos de idade (cujo nome não vou revelar porque vai que, sei lá), e sobre as conversas de madrugada que elas tem as vezes. No meio dessa conversa, minha avó falou que uma vez minha prima e elas tiveram o seguinte diálogo:
- Vó, tem um menino na escola e eu gosto dele.
- Hum?
- E agora eu estou confusa, se devo contar para ele que gosto dele ou se fico quieta.
Eu ia fazer um comentário sobre como era engraçado ela ter esse tipo de questionamento na idade dela, mas minha avó interrompeu meus pensamentos continuando o diálogo:

- Não! Você não deve contar para ele que gosta dele, nem agora, nem nunca. Se ele gosta de você, deixa que ele venha até você; do contrário ele vai te fazer boba. Lembra disso para a vida inteira.
Aí isso ficou martelando na minha cabeça. 





Não porque tenha sido um pouco profundo para uma criança de dez anos, mas por me fazer refletir, ainda mais algo que eu já vinha refletindo há um bom tempo.
Veja bem, a vida in-te-i-ra eu reclamei para as minhas amigas que só conhecia caras a fim de namorar, mas eu nunca quis conhecer gente assim, porque não gosto de relacionamentos. Mas aí quando eu me interesso de verdade por um, ele parece subitamente perder o interesse em mim, o que faz com que o velho clichê fique vagando pela minha mente: "você pisa ela gruda, você gruda ele pisa".
Não que eu tenha pisado nos caras, nunca. Mas eu nunca dei atenção que eles estão acostumados a receber, num estilo totalmente Holly Golightly. Uma vez, eu escutei que era muito "atraente" isso de não querer nada com nada. Se é verdade, não sei, mas foi uma coisa no mínimo interessante de se ouvir. 




Entenda, eu sempre achei meio errado isso de se fazer de dificil, fazer joguinhos, ou pisar em alguém, porque assim, a vida é tão curta para você perder tempo fazendo charme; então se você está a fim dele, e ele de você, por que não ficam juntos?
Foi aí, que depois de dias e dias pensando, entendi: quando você conquista, perde a graça. O legal de tudo é a incerteza.
Tá. Dando voltas e voltas, eu ainda acho tudo isso bullshit; até porque, uma hora o cara desiste de você se você for muito dificil. Eu nunca vou atrás de ninguém e desisto de ser conquistada se o cara começar com muita palhaçada.


Só que quem sou eu para falar sobre amor e pisar-grudar? Eu sempre fui impulsiva. Se você é a fim de mim, e eu de você, vamos ficar juntos. Se você é a fim de mim, e eu não sei, então vou ficar em cima do muro, não to me fazendo de dificil, só não sei se te quero; e se eu sou a fim de alguém e esse alguém não é de mim, ou faz joguinhos, então eu é que não vou ficar atrás que nem uma tonta, sendo feito de boba, sabe?
Porque talvez isso seja amor próprio, porque talvez minha avó tenha razão
. Ou, talvez, isso tudo não passe de bullshit.
-
 

You Might Also Like

0 comentários